in

6 Formas bem comuns que a mulher pode engravidar sem fazer sexo

Engravidar é com certeza o maior sonho ou o maior pesadelo de inúmeras mulheres. Há muitas que imaginam isto desde pequenas e outras que fazem de tudo para que somente tenham filhos quando realmente quiserem ter.

Para que isto seja possível, é indicado um acompanhamento profissional para a melhor forma de planejamento familiar.

A prática tem por finalidade, auxiliar casais a como se prevenirem e se programarem para a chegada de um novo membro na família da forma mais saudável possível.

Porém, quando uma gravidez acontece de maneira inesperada, a primeira coisa que vem à cabeça dos futuros papais é: “E agora?”

Existem formas que são consideradas seguras, porém são as grandes responsáveis por gravidezes indesejadas

Os parceiros que confiam um no outro, acreditam que com estas práticas estarão livres da possibilidade de ter um filho numa hora inesperada.

Contudo, pesquisas revelam que é possível sim, que o fecundação ocorra mesmo sem ir pelas vias de fato.

Com essas vulnerabilidades na suposta barreira de proteção, há que se atentar a esses hábitos não confiáveis. Confira:

Clima quente:

Naqueles momentos em que o calor do momento toma conta, os homens costumam pedir para que suas parceiras permitam que “brinquem” nas regiões próximas.

Acontece que os fluidos liberados por eles, contém material suficiente para que a fecundação ocorra.

Isto porque os espermatozoides possuem anatomia que auxiliam na mobilidade, podendo conseguir chegar até ao óvulo.

Dividirem o “parquinho”:

Quando o desejo é grande, mas não possuem proteção ao alcance, é normal que os pombinhos se satisfaçam sozinhos, porém um auxiliando o outro.

Entretanto, pode ser que em algum momento, as mãos do parceiro, já cobertas com parte de seus fluidos, entre em contato com as partes da parceira.

Sabendo da sobrevida dos “soldadinhos” masculinos, esta é outra maneira que uma mulher pode engravidar sem ter feito “nada demais”.

Bola na trave:

 

Este método é muito comum entre casados. Eles fazem tudo o que desejam e antes que o homem finalize, ele se afasta e termina sozinho.

O problema aqui é que muitos pensam que não há “habitantes” naquela melequinha que sai antes do grand finale.

Esses poucos militantes pro-gravidez, são o suficiente para que depois de 9 meses, uma criança bem fofinha esteja ocupando um lugar na casa e no coração desses desprevenidos.

Porta dos fundos:

Há dois fatores em questão nesta forma. Primeiro: ao expelir o conteúdo, os queridos soldadinhos ainda estarão vivos e devido a proximidade com o canal da mulher, pode ser que a fecundação ocorra dessa forma.

A segunda e especialmente rara, é uma condição onde a mulher ter canais que integram seu sistema reprodutor com o intestinal.

Há inclusive, casos e pesquisas que confirmam esta raridade. Contudo, não se deve realizar esta prática sem proteção. As bactérias que vivem em nosso intestino são muito resistentes e podem causar sérios problemas na flora da mulher, bem como no aparelho urinário do homem.

Inseminação artificial:

Escolhido como saída por mulheres que não possuem um parceiro ou o mesmo tenha dificuldade em engravidá-las.

Realizado por clínicas especializadas, a técnica consiste em fecundar um óvulo da paciente ou inserir um já fecundado.

Superfetação:

Outra condição rara que sempre surpreende quem já está grávida. Ao fazer um ultrassom, a futura mamãe descobre que está esperando dois filhos, porém não são gêmeos.

A explicação é que outra gestação foi iniciada depois de uma já estar em andamento. Podendo acontecer muitas semanas após a primeira de fato.

A comparação parece boba, mas a superfetação ocorre com frequência entre os mamíferos que geram muitos filhotes em conjunto, como cães, gatos e porcos.

Fonte: ystrends.com

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Loading…

Deixe seu comentário: