in

“Leite de vaca é bom para os seres humanos” é a maior mentira, e como conseguiram enganar você por tanto tempo!

O que você diria se descobrisse que nós não precisamos tanto de leite como a indústria de laticínios diz? Na verdade, o leite de vaca só é indispensável para os bezerros.

É fato que podemos obter cálcio, potássio e proteína a partir desse ingrediente. No entanto, essas riquezas também podem ser encontradas em sementes, frutas e  legumes.

O que acontece é que bilhões de dólares são investidos em publicidade para que a população seja convencida de que precisamos de leite.

O leite está presente nas refeições de várias pessoas: no café, chá, suco, vitamina… E o pior, o leite atual é muito mais prejudicial. Ele não é natural como o de antigamente. Está cheio de hormônios e drogas como antibióticos. E, quando pasteurizado, pode ser mais prejudicial do que benéfico à saúde.

Há uma crença popular que diz que o leite diminui o risco de fraturas. Isso não é verdade. Na verdade, vários estudos, entre os quais um da Escola de Harvard de Saúde Pública, dizem que os laticínios aumentam o risco de doenças como o câncer e pouco contribuem para a saúde os ossos.

Foi possível chegar a essa conclusão quando se observou que o países onde as pessoas pouco consomem laticínios – como os da África e da Ásia – sofrem menos com osteoporose.

Três quartos das pessoas são incapazes de digerir o leite e outros produtos lácteos, mas poucas sabem disso. Por acreditar nas propagandas, muita gente pensa que leite é um alimento saudável.

Portanto, se você cresceu ouvindo que leite deixa as pessoas mais forte, saiba que a história não é bem assim. O leite pode até ser rico em proteínas, mas tem também muitos aspectos negativos.

Afora o fato que comentamos no início: o leite moderno traz consigo muitos aditivos tóxicos, como os hormônios e os antibióticos que injetam nas vacas.

VÍDEO – DE ONDE VEM O LEITE

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Loading…

Deixe seu comentário: